sexta-feira, 4 de novembro de 2011

NO TERRACO,PAPAI TIROU MEU CABACO

Sou a Betina, e desde pequena sempre fui muito safadinha. Com meus doze anos, descobri no quarto de meu irmão Jonas (18 anos) umas revistas de mulheres nuas e passei a gostar de vê-las. Achava bonito aquelas mulheres expondo todo seus corpos em variadas poses e ficava peladinha sobre a minha cama me olhando num espelho grande na porta do guarda-roupas. Passei a pegar um espelho pequeno pra ficar olhando a minha pequena xoxotinha... Descobri o prazer de ficar me tocando e não demorou muito pra descobrir também o prazer de gozar e de dormir peladinha. Normalmente eu acordava com meu pai batendo insistentemente na porta me chamando pra levantar; era ele que me levava pro colégio quando ia pro trabalho. Mas, ele também tinha o costume de toda a noite ir ao meu quarto pra me dar boa noite... Só depois que ele saía é que eu trancava a porta, me despia e começava a brincar com minha bucetinha. Aconteceu, que um dia devo ter cochilado e não sei se foi sonho, tinha certeza que ele já tinha me dado o beijo costumeiro de boa noite e de já ter trancado a porta... Fiquei nua, peguei o espelho e olhando minha bucetinha fiquei me tocando. Fechei os olhos; pois estava quase gozando, continuei passando meu dedinho e levei o maior susto que tive na minha vida... Papai estava em pé; bem na frente das minhas pernas abertas, me olhando. Senti meu rosto queimando de vergonha e paralisada custei a perceber que tinha que me cobrir... Antes de puxar o lençol, ele sentou ao meu lado e debruçando sobre meu corpo nú, sorriu e me deu o beijo: - Boa noite filha! Durma bem!... Parecia que meu coração ia parar olhando meu pai se afastando. Custei a dormir que ele no dia seguinte deve que esmurrar a porta pra poder me acordar. Me aprontei rapidamente e novamente com a cara pegando fogo tomei meu café sentada em frente ao meu pai que agia normalmente. Entrei no carro e durante todo o trajeto num trocamos nenhuma palavra sobre a noite anterior... Parou em frente ao colégio, desligou o carro e sorrindo (o que me deixou mais tranqüila): - Filha??!! Você já anda se masturbando?... Se tivesse um buraco no assoalho do carro eu ia escorregar por ele. Assustada, fiquei sem voz e ele acariciando meus longos cabelos: - Pode falar filha! Papai não vai brigar com você!... Sem olhar pra ele: - Sim papai!... Ele puxou meu queixo suavemente me fazendo olhar pra ele: - Você gosta de gozar?... Não respondi, só fiquei olhando pra ele com os olhos arregalados: - Eu vi ontem quando você estava acabando de ter um orgasmo!... Nem sabia ainda o que era orgasmo, mas já imaginava o que sentia era gozo. Continuei calada e ele me deu um beijo: - Vai filha, vai estudar! Em casa a gente conversa mais!... Consegui perguntar: - Você vai contar pra mamãe?... Ele sorriu novamente: - Não filha! Não vou contar nada pra sua mãe!... Fiquei nervosa o dia inteiro e pior quando meu pai chegou do serviço. Mas ele novamente agia como todos os outros dias. Estava deitada quando ele entrou e trancou a porta sentando no meu lado: - Pode contar pro papai filha, faz tempo que você se masturba?... : - Faz sim papai!!! Mas eu prometo que vou parar!... Ele acariciando minha barriga: - Se você gosta, não precisa parar!... Ele sorriu e eu sorri pra ele: - Você faz isso todos os dias?... Balancei a cabeça confirmando e ele abaixando pra me dar um beijo: - Sua safadinha!!!... Ele me beijou e foi levantando minha camisola: - Deixa dar um beijinho de boa noite nessa outra safadinha!... Ele simplesmente abaixou minha calcinha o suficiente pra encostar a boca na minha bucetinha e lascar um beijinho... Voltou a colocar a calcinha no lugar e me dou um outro beijo antes de sair do meu quarto me deixando de boca aberta. Foram três noites seguidas a mesma coisa; ele entrava, trancava a porta, me dava um beijo, levantava a camisola e puxava minha calcinha pra dar um beijo também na minha xoxota. No dia seguinte, ele parou novamente em frente ao colégio: - Me conta filha, gozou ontem a noite?... : - Parei de fazer isso papai!... : - Porque filha?... : - Não sei, depois daquele dia eu não consegui mais!... Realmente, eu não conseguia mesmo depois dele beijar minha xoxota e me deixar molhadinha: - Então, hoje a noite o papai vai te ajudar, você quer?... Não entendi direito, mas respondi: - Quero papai!... Naquela noite, foi levantando a camisola e pra minha surpresa tirou a minha calcinha. Sentado do meu lado, ficou olhando fixo pra mim e levou sua mão na minha xoxotinha e ficou passando o dedo na minha rachinha; - Hoje é o papai que vai fazer você gozar!... Demorei pra ficar relaxada. Abri um pouco as pernas e sentindo aquele dedo passando bem no meio da minha bucetinha fui ficando rapidamente molhadinha e não demorou pra sentir meu corpo vibrar... Sabia que estava gozando no dedo de papai. Me deu o beijo de boa noite; só que foi rapidamente sobre meus lábios e depois beijou minha xoxota mesmo ela estando encharcada.... Feliz, dormi tão rápido que nem me preocupei de recolocar a calcinha. Na outro noite, já esperei meu pai sem calcinha. Quando ele levantou a camisola e viu: - Pelo visto você gostou de ontem, né?... Confirmei e fiquei esperando ele colocar o dedo novamente, mas ao invés do dedo ele primeiro começou pelo beijo. Um, dois, três beijinhos e,... Senti passando a língua na minha xoxota. Surpresa, me apoiei sobre meus cotovelos e fiquei olhando a cabeça de papai se movimentado entre minhas pernas e sua língua subindo e descendo na minha racha... Meu corpo todo começou a comichar que tornei a me esticar sobre a cama tendo o melhor e mais gostoso (como papai dizia) orgasmo. Foram mais duas noites gozando com a língua de papai na minha xoxota. Na terceira noite; ele demorou pra vir ao meu quarto, só depois que entendi que ele esperou mamãe dormir. Entrou só com um short de pijama (sem camisa) e sentando na cama arriou o short me mostrando seu imenso e grosso pinto... Fiquei ali olhando (nunca tinha visto um de adulto) aquele enorme pedaço de carne dura: - Vem cá filha, senta no colinho do papai!... Ele me fez passar uma perna pro outro lado que fiquei de frente pra ele e com minha xoxota perto do seu pintão e praticamente sentada sobre seu saco. Ele tirou minha camisola; me deixando peladinha, e segurando minha bundinha com as duas mãos levantou-me um pouco e ficou roçando seu pau na minha bucetinha: - Tá gostando filha?... : Muito papai!... Entendi qual era a intenção dele, e me apoiando em seus ombros subi mais o corpo até deixar minha bucetinha bem encima do seu pinto: - Isso filha! Mexe pra lá e pra cá, mexe! Asssimmmm!... Fiquei esfregando minha racha na ponta do seu pinto que senti minha bucetinha pingando... Cansei e voltei a sentar sobre suas coxas e papai apertando meu peitinho e dando beijinhos (bicotas) nos meus lábios: - Estou adorando brincar com você filha!... : - Eu também papai!... Ele me colocou novamente deitada e lambeu e sugou todo caldinho que saía da minha xoxota até eu gozar... Saiu do meu quarto com aquele volume enorme aparecendo sob seu short. Num domingo, acordei e saindo do banheiro em direção à cozinha, papai na sala me chamou... Assim que chequei perto, ele me puxou pro seu colo e foi passando a mão na minha coxa até chegar na minha xoxota (como sempre, estava sem calcinha). Preocupada olhando pra todos os lados: - Cuidado papai!... Ele me acalmou dizendo que minha mãe tinha saído e ia demorar. Perguntei pelo meu irmão e papai explicou que ele tinha viajado com um colega e que só voltaria no dia seguinte a noite. Deixei papai tirar minha camisola e ficar beijando e sugando meus pequenos peitinhos... Sentindo seu pau duro debaixo da minha bunda, dei uma reboladinha: - Ele tá duro papai?... : - Duríssimo filha, quer ver?... Saí de seu colo e fiquei vendo tirar seu short e ficar peladão com sua enorme mangueira dura apontada em minha direção: - Você gosta de ver o papai pelado?... : - Adoro papai! Você é lindo!... Ele me pegando no colo e indo em direção ao meu quarto: - Você que é linda sua safadinha!... Me colocou sobre a cama e foi beijando todo meu corpo... Me virou de barriga pra baixo e apertou, beijou e deu vários tapinhas no meu bumbum: - Caramba filha! Sua bundinha já está bem grandinha!... Eu ficava só me remexendo como uma cobra sobre a cama, e ele subindo sobre meu corpo ficou passando seu pinto no meio da minha bundinha e na portinha da minha xoxota: - Nossa filha1 Você já está bem gostosinha!... Olhei e vi papai molhando a palma da mão na boca e passando sobre seu pinto... Papai voltou a esfregar o pinto no meio da minha bundinha e depois ficou com ele parado bem em cima forçando levemente sobre meu cuzinho... Instintivamente levei minhas duas mãos e puxei abrindo minhas nádegas: - Papai pode enfiar?... Nem imaginava ainda o que era dar a bundinha: - Pode papai!... Ele forçou com mais força e logo senti que a cabeça tinha entrado sentindo uma dor aguda... Ele ficou um tempão só com a cabeça dentro do meu cuzinho e vendo que parei de me debater sobre a cama foi mexendo lentamente e lentamente foi enfiando cada vez mais... A dor foi aumentando e ele voltou a ficar parado; só que com tudo já enfiado no meu cú... Sem tirar o pinto, ele passou um braço por baixo de minha cintura e foi-me puxando até ficar ajoelhada sobre a cama e voltou a mexer seu pinto bem devagar pra lá e pra cá... Mesmo sentindo que meu cuzinho estava arregaçado, a dor foi diminuindo e passei a curtir aquele grosso membro dentro de mim. Papai ficou um tempão puxando seu pinto e voltando com ele até o fundo; sempre num ritmo bem lento... Foi indescritível; adorei sentir papai gozando dentro da minha bundinha. Dei a bundinha pro papai até meus quinze anos quando ele resolveu fazer uma grande festa pra comemorar meu aniversário (num domingo)... A festa foi no terraço de casa (que era bem espaçoso), com direito até de um DJ (dee jay) com um mega equipamento de som que fez a meninada dançar até tarde da noite. Segunda-feira; mesmo cansados, minha mãe saiu pra ir trabalhar e meu irmão foi pro colégio. Meu pai pediu folga no serviço e eu nem fui ao colégio... Tínhamos que arrumar a bagunça deixada no terraço. Descansamos bastante e depois subimos pro terraço e começamos a varrer, limpar e lavar o chão... Eu jogava água com uma mangueira e papai com uma vassoura ia jogando sabão em pó e esfregando. Ele só de bermuda e eu com um shortinho apertado e uma camiseta... Joga água pra cá e joga água pra lá, virei a mangueira e rindo joguei água no meu pai. Ele fingindo estar com raiva me agarrou e tirando a mangueira de minha mão me deu um banho deixando minha roupa toda ensopada... Voltei a pegar a mangueira e também dei-lhe um banho da cabeças aos pés (ele deixou, ficando parado). Depois da brincadeira, resolvemos voltar ao serviço. Quando eu disse que ia vestir outra roupa ele na maior cara de pau: - Não precisa filha, é só você tirar essa que está molhada!... : - Você acha que eu vou ficar pelada aqui em cima do terraço?... O Terraço era todo coberto e tinha muros altos: - Ninguém vai nos ver aqui!... Fiquei na dúvida e ele arrancou sua bermuda molhada: - Vai filha! Tira a sua!... Tirei a camiseta e ele tirou meu short com calcinha e tudo e subindo foi me abraçando: - Quinze anos né filha?... Sentindo seu pau encostado em mim endurecendo: - Estou ficando velha papai!... : - Velha não filha, você está é se transformando numa linda e gostosa mulher!... : - Mulher não papai, ainda sou moça!... Segurei e comecei a fazer um carinho no seu pinto e ele segurando meu rosto beijou forte meus lábios: - Oh filha! Você me mata de tesão!... Agarrei e beijei loucamente sua boca: - Ah papai! Você não imagina a vontade que eu tenho de me entregar a você!... Ele me abraçou mais forte: - Tenho medo de te magoar!... : - Eu já sou quase toda sua papai! Você até hoje foi meu único homem. Só falta um pouquinho pra você me fazer completamente feliz!... Papai me levantou e me colocou deitada sobre a mesa onde foi serviço o bolo de meus quinze anos e a altura foi ideal pra ele ficar entre minhas pernas segurando-as no alto e seu pinto duro pertinho da minha xoxota... Ele segurando minhas duas pernas, tive eu mesma pegar seu pinto e coloca-lo na portinha entre meus lábios vaginais. Papai praticamente abraçou minhas coxas e deu uma estocada pra frente... Só larguei seu pinto quando senti que estava começando a ser penetrada: - Tá entrando papai! Tá entrando!!!!... Senti nitidamente meu cabaço sendo rompido. Foi como se estivesse levado uma agulhada de uma injeção bem dolorida... Mas logo já estava sentindo o maior prazer do mundo com a piroca do meu pai toda enfiada em minha já não mais virgem bucetinha. Ele agarrado nas minhas coxas ficou movimentando a cintura fazendo seu pau ir e vir dentro de mim tantas vezes que tive; sem sombra de dúvida, o mais gostoso orgasmo que podia existir... Papai deu mais algumas socadas e tirando segurou seu pinto e picou punhetando: Ohhh filha! Ohhhh! Ohhhhh! Que maraaaviiiilha!... Vi seu pinto esguichando porra e mais porra que iam caindo sobre a minha barriga. Atualmente estou com 19 anos e até hoje não arrumei nenhum namorado; somente alguns paqueras... Minha mãe até já comentou com meu pai (ele me contou) que tem receio de que eu esteja gostando mais de meninas (tenho muitas colegas) do que de meninos... Há se ela soubesse!!!!.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário